Friday, July 13, 2018

catering for the opening of: FIRST PERSON PLURAL: EMPATHY, INTIMACY, IRONY, AND ANGER







The group exhibition First Person Plural: Empathy, Intimacy, Irony, and Anger inquires into the emotional infrastructures of the present. What roles do emotions and affects play in forming collectivities and political belonging? What kind of “we’s” do empathy, intimacy, irony, and anger assemble, and how do they determine which “first person plurals” someone is part of? And where does the affective power of art stand in these processes?

The exhibition considers these questions along contemporary political, economic, technological, and social challenges—including the alarming surfacing of fascisms in public life. Pondering the emotional as an organizing force across political spectrums, emotions are understood not as individual mental states but as collective material and affective practices that are both shaped by and shape social life. The works in the exhibition challenge the familiar, divisive narratives of a “we,” such as the nation and the so-called “refugee crisis,” and allude to emotions as entry points for manipulation.


The exhibition features works by artists Doug Ashford, Sven Augustijnen, Tala Madani, Liz Magic Laser, Eva and Franco Mattes, Otobong Nkanga, and Sarah Vanhee, as well as a library space conceived by 2017/2018 BAK Fellow Sepake Angiama. Titled We Summon Here All Beings Present, Past & Future, this space features books, films, audio pieces, and posters, as well as a series of public workshops to activate them.


Saturday, May 26, 2018

Muda Tudo no Museu Murilla la Greca, Recife

Proposta para practicas desviantes 

Propomos outra forma de ocupação do espaço publico, e verde, do museu. Através de uma Intervenção na paisagem, paisagismo, do jardim do museu, inserindo mudas de arvores frutíferas e de plantas comestíveis, para transformar o jardim decorativo, num jardim funcional. Em nossa pratica diária nos alimentamos de produtos, prioritariamente adquiridos na Feirinha de Produtos Orgânicos da CEASA. Durante vários anos coletamos sementes dos nossos alimentos, por compreender que as sementes não são lixo e que possuem um valor escondido, seu potencial de reprodução, especialmente nas sementes orgânicas, que carregam uma herança de informação histórica do nosso planeta. Até o momento, temos coletado sementes e mudas de jerimum, girassol, batata doce, linhaça, macaxeira, sementes amazônicas, pimentas, feijões, milhos, etc. Propomos inserir estas sementes no sistema ecológico do museu, convidando os visitantes a fazerem o mesmo processo e colaborar para a criação desta nova flora. Como parte do registro dos processos e também como um criador de vínculos entre as pessoas e as plantas, colaborativamente será criado um mapa do plantio. Depois de, no minimo, um ano de crescimento das plantas, mudas, raízes e vínculos entre as pessoas e o jardim, desejamos convidar todos para uma pratica de colheita, seleção, replantio, distribuição e cozinha coletiva. Observação: Temos uma viagem para o Rio de Janeiro programada para o dia 07/03, o que nos impossibilita de estarmos, presencialmente, no evento público (dia 10/03). Entretanto propomos realizar o plantio das mudas iniciais antes da nossa viagem, convidando os educadores do museu a darem continuidade à proposta junto com o público. Gostaríamos de sentar com o educativo do museu para conversarmos sobre a proposta e repensarmos, juntos, que outros rumos podem ser tomados a partir das experiencias deles.







da pagina Insta do museu>






Monday, March 12, 2018

Ponto Eco, um ponto com produtos de pequenos produtores e orgânicos no Rio de Janeiro

O Ponto Eco, aberto recentemente na cidade de Rio de Janeiro e uma associação de empresas voltadas para oferecer ao mercado produtos para uma vida saudável. Ponto Eco é distribuidor de produtos da feirinha de pequenos produtores, Junta Local, que acontece mensalmente nas praças da cidade. Os produtos vendidos variam de comestíveis a produtos de beleza, tudo sem aditivos nem agrotóxicos ou quimicos industrializados. 

O espaço se divide en 3 estancias: a loja, o restaurante e uma parte publica que se pode alugar para festas. 

A os finales do ano 2017 foi convidada por Carlos Wagner, fundador de Manaca Orgânicos, a criar uma cardápio para o restaurante, único com a sua oferta de orgânicos, vegetariano e vegano, no bairro de Sao Conrado. A nossa colaboração deu uma vez mais frutos, grandes e gostosos. E aqui uma mini apresentação dos dias que passei no Ponto Eco. 





Tuesday, October 10, 2017

Tacos de Jaca para o grupo 'ações estético-políticas, lutas minoritárias, derivas urbanas' na Lanchonte<>Lanchonete







Curso da Disciplina PROCESSOS ARTÍSTICOS do Mestrado Acadêmico do Programa de Pós-graduação em Estudos Contemporâneos das Artes/PPGCA-UFF, 2017.2,no qual: Trabalharemos os diversos processos artísticos dxs posgraduandxs a partir da ideia-força que norteia nosso Grupo de Pesquisa/CNpq práticas estético-políticas na arte contemporânea, a saber: como se engendram “ações estético-políticas”? 

Nossa práxis será como entendemos, contrapedagógica. Nossos encontros de conversação serão fundamentalmente no Espaço Lanchonete<>Lanchonete de Arte Contemporânea, na região da Praça Mauá, precisamente no Bairro da Saúde. Nossas ações serão, justamente, nessa que é a região mais gentrificada da Cidade do Rio de Janeiro. Escolhemos para tal um espaço autogerido operando com arte e com sociabilidades locais desconectadas da geopolítica artística consagrada, visamos problematizar as operações urbanísticas espectaculares e desapropriadoras que o Rio de Janeiro testemunha. Exploraremos a idéia de hospitalidade como modus operandis da insistência/resistência. Interessa o ato de abrir suas portas, aqui literalmente ao “rés-do-chão” aos habitantes que tal como Michel de Certeu chamava, são os “praticantes ordinários” da cidade ou os “homens lentos”de Milton Santos. Serão provocadas caminhadas e Errâncias na área portuária onde se encontra o espaço, e onde estão postos na mídia recentes supostos sucessos de patrimonialização e institucionalização de memórias coletivas.

Muito obrigada a Marcella Klimuk pela ajuda e a Thelma Vilas Boas pelo acolhimento. 

Thursday, August 31, 2017

‘Special Vegan Edition’ from Wat De Kas Schaft…’What the glass house gives’









19 August 2017 I had the pleasure to be invited as a guest cheffe by Meike and Kevin from De Kas/the Glass house in Utrecht. The place is runed by these young and active farmers which daily are buzzzing with their hands and feet in the mud. During the highest sunny season in the Netherlands they organize thematic evenings with theatre plays and musical interventions while visitors can try the vegetables and and fruits that grow around them. 

Our collaboration brought on the tabe a menu of 4 vegan courses, with a small interruption to visit the glass house and learn about city farming. 


Explore Utrecht was visiting us and made these beautiful picture, once again, thank you Dainahara !

Wednesday, August 2, 2017

catering for a wedding









In the middle of July I had the opportunity to cook for a vegetarian wedding, these are the picture I could take with my phone’s camera during the ceremony, there will be some professional ones coming soon. It was comforting to be able to work on the menu and collaborate with friends as the bier form Oproer brewery and the bread form the Brakkerij, that uses the by product of the brewers to produce her beautiful buns and ciabattas. Having a vegan chocolate cake done by Zoete Koek and finally use all the organic ingredients from local Dutch farmers.

Once again, thank you Alex and Jesse for this invitation and challenge and long life to your love 💓

Wednesday, July 12, 2017

Catering for XVI Biennial Conference, ‘Practicing the commons: Self-governance, cooperation, and institutional change’ co-hosted by Casco









Very glad to be part of IASC 2017 conference which Casco is co-hosting this week. Last night after the 'commons for children' day program we had a 'swinging workshop' and off course a dinner. Here a little more about the event: 

The ‘Institutions for Collective Action’ research team of Utrecht University as well as the researchers affiliated with Utrecht University’s  Strategic Theme ‘Institutions for Open Societies’ are proud to jointly host the global XVI Biennial Conference, ‘Practicing the commons: Self-governance, cooperation, and institutional change’ of The International Association for the Study of the Commons (IASC) in the historical city centre of Utrecht, 10-14 July 2017.